Qui Jul 19

Arquivo

Cassim & Barbária

Atenção, abrir em uma nova janela. ImprimirE-mail
Twittar este Artigo

Projeto de um homem só criado entre Curitiba e Floripa vira banda e já rende bons frutos no exterior

Cassim e Barbária na praia de FloripaTexto de Abonico R. Smith (com colaboração de Bianca Sobieray)

Fotos de divulgação

Figurinha carimbada do cenário alternativo curitibano há vinte anos, Cassiano Fagundes é um eterno insatisfeito. Nos anos 90 trabalhou de programador de rádio e DJ underground na capital paranaense, enquanto era o frontman do Magog, grupo grunge que foi um dos ícones do rock local na época. Depois passou um tempo na Bahia como guia de caiaque e decidiu respirar ares da maior metrópole do mundo passeando com cachorros pelas ruas de Manhattan. Voltou para sua cidade anos atrás e juntou um grupo de velhos amigos para dar vazão ao Bad Folks, que trouxe aos palcos da cidade canções baseadas em referências do folk e do country rock. Mas não sossegou muito o facho. Pegou a BR 376 e rumou a Florianópolis para trabalhar na área em que se formou, Publicidade e Propaganda. E desde o ano retrasado – quando, enfim, gravou o primeiro álbum oficial do Bad Folks – está morando em Florianópolis.

Neste vai-e-vem pela estrada resolveu dar forma a um projeto solo. Assumiu o codinome de Cassim, retirado de um dos personagens das Mil e Uma Noites, e gravou sozinho suas primeiras músicas e lançou no primeiro semestre do ano passado o EP Ready pelo selo midsummer madness. Cassiano foi atrás de gente disposta a ajudar a levar aos palcos sua nova encarnação. Topou com nomes ímpares do rock catarinense: os “pipodélicos” Eduardo XuXu (guitarra e backings), M. Leonardo (baixo) e Heron Stradioto (bateria e efeitos eletrônicos), além do ambervision Guilherme Zimmer (bateria e efeitos eletrônicos). A partir daí, estava formado o combo Barbária (outra referência de origem árabe, desta vez a região da África setentrional correspondente hoje às costas da Argélia, da Tunísia, da Líbia e a alguns portos de Marrocos).

Acabou conseguindo mais do que um mero time de apoio. “Montei a banda para poder fazer shows, com as minhas composições. Mas a parceria ultrapassou isso e hoje somos um grupo mesmo”, revela o vocalista. Desde então já surgiram alguns frutos da criação coletiva, como um single (“Catastrofismo” e “The Orchard”) e um dos melhores clipes dos últimos tempos feitos com criatividade e orçamento quase zero. Dirigido pelo vídeo-artista Cleverson Oliveira, residente em Nova York há mais de uma década, e rodado parcialmente na clínica de estética da irmã de um dos músicos, o clipe coloca o gorducho e bonachão Zimmer como um cientista louco em meio a muito sangue e instrumentos cirúrgicos.

Apesar de ser uma das mais novas peças do repertório, “Catastrofismo” ganhou a condição de carro-chefe de Cassim e sua Barbaria. Baseada no livro Uma Breve História de Quase Tudo, do escritor americano Bill Bryson, a letra imprime tons apocalípticos a uma história de amor. O refrão “Espero a colisão”, cantado em falsete por Cassiano e XuXu, é de assimilação imediata, assim como a repetição constante do bloco monolítico instrumental. Krautrock com sotaque em português, que faz você apertar o botão do play no mínimo umas cinco vezes consecutivas.

Cassim sempre foi fã de krautrockChucrute rock

Krautrock aliás é apenas uma das palavras-chave por trás da poderosa usina sonora interestadual. Fã assumido de bandas como Neu!, Faust e Can, Cassim já voltou de Nova York, uma década atrás, com a fixação de fazer algum trabalho derivado do gênero atribuído aos artistas experimentais da Alemanha do final dos anos 60 e começo dos 70 (e que resultaria anos depois em discípulos como Sonic Youth, Pere Ubu, Gang Of Four, PiL, Joy Division, Gary Numan, Cabaret Voltaire, Throbbing Gristle, Stereolab e Einsturzende Neubaten). “Só que a gente não faz exatamente krautrock. Não temos sangue germânico. Eu sou descendente de índios”, declarou o vocalista no palco da FNAC Curitiba, durante a apresentação do quinteto na noite de fevereiro do projeto Mondo Bacana Apresenta. “Estamos mais para chucrute rock”, emendou, fazendo referência a um dos maiores ícones da culinária catarinense.

Apesar da brincadeira bem-humorada, o que provavelmente Cassiano nem imaginava no momento, é que sua comparação passou a fazer mais sentido ainda. Afinal, a expressão popular kraut (que indica “uma pessoa alemã” mas que na língua culta pode ser traduzida como “herbáceo”) é derivada do prato tradicional sauerkraut (literalmente “repolho azedo” e que acabou virando o nosso chucrute).

Ainda há – em maior ou menor grau de discrição – outras referências ao krautrock salpicadas no repertório do grupo. O rolo compressor repetitivo da dupla de hits “Libertaria (Madagascar)” e “Catastrofismo” se aproximam do gênero através do arranjo. “Blixa”, como o próprio nome já entrega, é uma música inspirada e dedicada a Blixa Bargeld, guitarrista dos Bad Seeds de Nick Cave e do trio alemão de música industrial Einstürzende Neubauten, que nunca negou sua ascendência kraut. Já “Maelstrom SOS” faz uma inusitada conexão geográfico-etimológica. Apesar do balanço rockabilly, o nome faz referência a um fenômeno natural (um indomável redemoinho oceânico que já foi citado em obras literárias de Edgar Allan Poe e Julio Verne) com nome de origens nórdicas e holandesas.

O chefe e os insubordinadosBrasil anglo-saxão

Mas Cassim & Barbária não ficam apenas do lado de lá do Equador. Eles descem o globo, cruzam o oceano e promovem um belo cruzamento entre a alma anglo-saxã e as referências brasileiras que fizeram a banda carregar o neo-rótulo de subtropicália – intelectualmente bem sacado mas que pode soar indigesto com o tempo, já que o próprio vocalista já se encarrega de fazer declarações “de amor e ódio” ao termo em recentes entrevistas – ao mesmo tempo em que declara sua simpatia pelo termo, também teme ficar marcado por algo que não sintetiza o todo da musicalidade da banda. O pandeiro de samba de “One Minute Ago” (canção poderosa, que fascina desde os primeiros segundos de execução) e “The Orchard” (cujo título faz uma citação ao “pomar” de frutas, árvores e pássaros que Cassim tem à sua visão sempre que abre a janela de sua casa em Floripa. Ambas pintam de verde e amarelo as guitarras pesadas e os versos compostos em inglês.

Por tudo isso que, apesar da curtíssima trajetória do projeto/banda, Cassiano e seus “subordinados” catarinas já estão de malas prontas e passaportes carimbados para sua primeira turnê pelo exterior. Os músicos embarcam no próximo dia 5 de março, para uma turnê nos Estados Unidos e Canadá, passando, inclusive, pelos festivais South by Southwest (em Austin, no Texas) e Canadian Music Week. Os dois são considerados – ao lado do evento promovido pelo portal alternativo CMJ – as maiores vitrines a divulgação e exposição de novos artistas no lado de cá do Atlântico. Ao ser questionado sobre como tudo isso ocorreu, o vocalista prontamente explica: “A internet significa a democratização da música. Para nós, foi importantíssima. Através dela surgiu, inclusive, os convites para estes festivais”.

Junto à turnê, o Cassim & Barbária lançam (lá fora) seu primeiro álbum, homônimo, pela BNS Sessions – uma edição nacional deve vir no segundo semestre pela Midsummer Madness. “Para o álbum, regravamos as mesmas faixas em um estúdio de Floripa, mas com todo o grupo. Naturalmente, o resultado ficou bem diferente do ouvido em Ready. Ele reflete o atual momento do som”, explica Cassiano.

Com relação às composições, o processo também muda. Inicialmente feitas apenas, por Cassim agora conta com a participação de todos os outros integrantes – vale lembrar ainda a preciosa colaboração de XuXu, que, além do trabalho anterior com o Pipodélica, ainda foi o produtor de estúdio do álbum de estréia de outro nome de Curitiba, o Charme Chulo. Uma das novidades deste trabalho de criação coletiva já vem sendo mostrada ao vivo. “Dark Side Yoda” foi inspirada em referências filosóficas/religiosas e da trilogia clássica de Guerra nas Estrelas e vem promovendo um grande clímax percussivo no encerramento das apresentações pré-turnê do quinteto.

“Não tem como estar entre esses caras e ser um ‘chefe’, compondo e produzindo tudo. Eles são incríveis, todos têm sua participação nas composições. O que era pra ser um trabalho solo virou uma banda de verdade”, aponta Cassiano, já deixando pistas para um futuro próximo que parece ser promissor. Se a banda vier com todo o peso, som e fúria que leva aos palcos, ganharão todos. Acima e abaixo da linha do Equador.

 


Artigos Relacionados:
Artigos Relacionados - Recentes:
Artigos Relacionados - Antigos:

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
menor | maior

security code
Escreva os caracteres mostrados


busy

Novos Downloads

Vanilla Dreams (mb extra) Punkake
Vanilla Dreams (mb extra)
Wasabi EP (mb 93) Magaivers
Wasabi EP (mb 93)
Bunch Of Grapes (mb 92) Tangerines And Elephants
Bunch Of Grapes (mb 92)

Videos Recentes

View Video
Jack Is Only Happy When She's Up On The Stage
View Video
Arisen My Senses
View Video
When You Die
View Video
Não Fui Eu
View Video
Already Gone
View Video
E o Meu Peito Mais Aberto que o Mar da Bahia
View Video
Palmeiras ao Vento
View Video
Inocente