Domingo Nov 18

Warning: Division by zero in /home/storage/d/82/5a/mondobacana1/public_html/plugins/content/extranews.php on line 637

Warning: Division by zero in /home/storage/d/82/5a/mondobacana1/public_html/plugins/content/extranews.php on line 638

Warning: imagecreatetruecolor() [function.imagecreatetruecolor]: Invalid image dimensions in /home/storage/d/82/5a/mondobacana1/public_html/plugins/content/extranews.php on line 701

Warning: imageantialias(): supplied argument is not a valid Image resource in /home/storage/d/82/5a/mondobacana1/public_html/plugins/content/extranews.php on line 702

Warning: imagecopyresampled(): supplied argument is not a valid Image resource in /home/storage/d/82/5a/mondobacana1/public_html/plugins/content/extranews.php on line 703

Warning: imagejpeg(): supplied argument is not a valid Image resource in /home/storage/d/82/5a/mondobacana1/public_html/plugins/content/extranews.php on line 704

Arquivo

O Formidável

Atenção, abrir em uma nova janela. ImprimirE-mail
Twittar este Artigo

Cinebiografia destrói a imagem de revolucionário vanguardista e iconoclasta de Jean Luc Godard

O arrogante esquerdista Jean Luc (Garrel) e a bela burguesa Anne (Martin) fogem da polícia em uma manifestação política da juventude parisiense em 1968Texto por Abonico R. Smith

Foto: Imovision/Divulgação

Mudar ideias e costumes já arraigados por muito tempo no inconsciente coletivo das pessoas já é uma tarefa difícil e que exige muita perseverança e paciência. Mudar um mito, então, transforma-se em algo hercúleo. E, claro, ousado.

É por este segundo caminho que segue o diretor e roteirista Michel Hazanavicius em seu mais recente longa-metragem. Baseado na autobiografia de Anne Wiazemsky, o cineasta francês resolveu cutucar com vara curta uma das maiores onças do cinema de seu próprio país: a imagem construída por Jean Luc Godard durante aqueles primeiros anos da década de 1960 que ficariam conhecidos para sempre como a geração nouvelle vague. Nesta história levada às telas, o que vale aqui não é aquele Godard que o mundo passou a admirar como um divertido iconoclasta da sétima arte, cheio de grande ideias e truques originais para se fugir do óbvio e retratar o cotidiano da juventude parisiense de sua época. O Jean Luc de O Formidável (Le Redoutable, França/Itália/Myanmar, 2017 – Imovision)  é arrogante, inseguro, atrapalhado, inconveniente e, acima de tudo, nada caga-regras.

Também pudera. A fonte de inspiração para Hazanavicius não é um biógrafo qualquer. Pelo contrário. É alguém que desfrutou de uma imensa proximidade do cineasta. Nascida na Alemanha mas com origem familiar fincada na mais alta burguesia francesa, a estudante de Filosofia e atriz iniciante Anne Wiazemsky tinha apenas vinte anos quando fez seu primeiro filme com Godard, em 1967. Não tardou para que os dois se apaixonassem e ele, já separado de sua primeira esposa e musa (a também atriz Anna Karina), colocasse-a no papel oficial de sua cônjuge.

No começo da paixão tudo eram flores para o novo casal. Contudo, novos ingredientes foram tomando conta do relacionamento, como o extremo interesse de Jean Luc pelo ativismo político e a consequente obsessão do cineasta por tornar o seu cinema um grande veículo para a propagação de novos ideias de esquerda que pudessem vir a transformar a sociedade francesa. O gás que servia de combustível era a efervescência do meio estudantil, que volta e meia culminava em ferozes passeatas de protesto pelas ruas que pediam a saída do general Charles de Gaulle da presidência da república e a destituição de seu primeiro-ministro Georges Pompidou. Com sua veia politizada extremamente inflamada, Godard foi dando novos contornos às suas obras, que passavam a ser cada vez mais mal recebidas pelos críticos. O artista criativo de outrora se transformara em um ser presunçoso e que não ia além de mera sobre do que um dia havia sido. Pior: provocava desconforto em quem estava ao seu redor, de atores e equipe técnica à própria Anne.

É justamente a conjunção deste enfoque biográfico com o recorte temporal que fez com que O Formidável (o título, altamente irônico e satírico, faz alusão a um majestoso e imponente submarino de guerra) não fosse recebido com belos olhos pela imprensa francesa no Festival Cannes deste ano, quando foi exibido publicamente pela primeira vez. Afinal, o personagem interpretado com maestria pelo ator Louis Garrel – que deixou de lado a faceta galã e aqui caprichou na personificação, dando ênfase ao intermitente sibilo da língua presa e à pouca presença capilar frontal – não é o mesmo ícone endeusado por cinéfilos mais cultos e politizados. A Anne de Stacy Martin – a morena inglesa revelada em Ninfomaníaca mais uma vez ofusca os olhos do espectador com a beleza de seu rosto – é apenas um mero objeto de fetiche pessoal nas mãos do diretor (e talvez por isso tenha se “vingado” dele depois contando o seu lado mais podre e obscuro na autobiagrafia). A linguagem propositalmente linear, que faz tabelas entre muletas da comédia e o recurso sarcástico de clichês do cinema, como o fato do protagonista quebrar algumas vezes a quarta parede e se dirigir diretamente ao público para fazer comentários recheados de sarcasmo, também provoca desconforto a quem até hoje mantém o nome do cineasta no pedestal dos deuses da sétima arte.

A ousadia e a iconoclastia de Hazanavicius agora fizeram de vítima aquele que costumava os mesmos artifícios meio século atrás.

Artigos Relacionados:
Artigos Relacionados - Recentes:
Artigos Relacionados - Antigos:

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
menor | maior

security code
Escreva os caracteres mostrados


busy

Novos Downloads

Vanilla Dreams (mb extra) Punkake
Vanilla Dreams (mb extra)
Wasabi EP (mb 93) Magaivers
Wasabi EP (mb 93)
Bunch Of Grapes (mb 92) Tangerines And Elephants
Bunch Of Grapes (mb 92)

Videos Recentes

View Video
Jack Is Only Happy When She's Up On The Stage
View Video
Arisen My Senses
View Video
When You Die
View Video
Não Fui Eu
View Video
Already Gone
View Video
E o Meu Peito Mais Aberto que o Mar da Bahia
View Video
Palmeiras ao Vento
View Video
Inocente